27.11.11

reflexos


pastoreio reflexos na desordem do solo
como pergaminhos deitados por terra
em horas corridas ao abandono

almejo adivinhar a idade do mundo
na luz interposta pelos traços de hoje
rebusco nas pausas que se abeiram da sombra
uma identidade atemporal
onde todos passeamos cumplicidades
inscritas nas mãos que apertamos com fé

alguma cadência na rotação do sol
nos há-de marcar os compassos
de uma dança universal

não busco diferenças
não procuro distâncias
sigo o trilho da cor que adivinho ser marco
do mesmo medo em todos os olhos
com laivos de esperança a faiscar dos sorrisos

em todos os corpos a mesma espera
de um abraço placenta quente e inteiro
transversal à pele à carne e aos ossos
e à memória genética que precede a existência

e eu pastoreio reflexos
arrebanhando contrastes
num vasto improvável
puzzle mental
onde as sombras se encaixam
e a luz se unifica

porque no núcleo interno
das nossas potências
sabemos
que a natureza não sustenta enganos

Rosário Alves

12 comentários:

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=qkwD261MHsc&feature=share
beijo

Thereza Green disse...

Fantástico, parabéns está perfeito

Maria João disse...

E porque afinal, somos todos tão semelhantes, sendo tão diferentes...
Este teu poema, Rosarinho, é dos mais belos que tenho lido. Um poema que abraça por completo tudo o que eu penso e sinto sobre a natureza humana. Fico-te grata por o teres escrito e mais ainda por o teres partilhado e, se me permitires, um destes dias irei dar-lhe destaque no meu espaço.

Um enorme beijinho

Rosário disse...

Querida M. João, se o poema merece tal honra e atenção, é claro que podes dispôr dele. É teu, de todos... Eu, como mensageira, fico muito grata...:)

beijinho enorme também

Rosário

Mar Arável disse...

A luz e a sombra

nas suas palavras

nas mãos artesãs

Mel de Carvalho disse...

já aqui estive várias vezes, li e reli e, acredita, Rosarinho, não sei que te dizer que não seja
gostava de ter escrito este poema e honra-me de sobremaneira chamar-te amiga...

a João já disse tudo: tal como ela sinto que este texto abraça as minhas profundas convicções sobre o mundo.

beijos minha querida Rosarinho
um enorme bem-hajas
Mel

tb disse...

Sombra que ajuda a fixar a luz... das palavras. :)
beijinho

Rosário disse...

Grata a todos os que aqui passam. Muito grata aos que deixam eco...

Querida Mel, as tuas palavras sensibilizam-me muito. Bem sabes o quanto me honra a tua amizade. O teu apreço é um abraço que sinto sempre na lembrança do teu doce sorriso. e partilhamos convicções! :)

Saudades de ti, minha querida

mil beijos! Obrigada...

Rosarinho

Rosário disse...

um abraço grato à Thereza, ao Eufrázio e à Teresa Bonito. E ao anónimo pela música.

as vossas palavras são parte da 'luz que se unifica'

beijos,

Rosário

Manuela Fonseca Amaral disse...

Querida Rosário,

Nestes dias tenho passeado por este teu cantinho. Fixei-me em vários poemas. Neste, porém, compus o rosto de seriedade, como sempre faço ao ler um poema MAIOR!
Voltarei!
Até amanhã, amiga, com um enorme abraço e um terno beijinho.
Manuela

Mel de Carvalho disse...

Minha querida Rosarinho,

pega na agenda e marca. Quero, quero muito, dar-te, ao vivo e a cores o tal abraço...
Em suma, sabes do meu carinho, e sabes que te levo no coração para 2012.

Feliz Ano para ti e todos os que amas.

Beijo
Mel

Vera de Vilhena disse...

Querida Rosarinho, concordo em pleno com a Manuela, este é um poema MAIOR, mais "cerebral", mais pensado. Muitos parabéns. Não deixes de escrever! A tua pena agradece :)