11.4.15

pausa



preciso apenas de uns centímetros
deste tempo a meio do tempo
e de um pouco de sol na ombreira
dessa porta aberta para a partida

de encostar a cabeça no peito da manhã
e receber no colo a luz
do sol como um filho
que se embala nos braços para sempre

preciso apenas de uma pausa
para o cansaço
para que ele se demore o quanto
tem para demorar

o exacto tempo da gestação
de asas mais fortes e poderosas
do que o peso das pedras nos bolsos
do passado.


Rosário Ferreira Alves


5 comentários:

Graça Pires disse...

"Encostar a cabeça no peito da manhã" e fazer com as palavras um poema inteiro e belo.
Beijos, minha amiga.

tb disse...

Às vezes é preciso. Que seja breve o tempo necessário, amiga.
Um beijinho.

Thereza Green disse...

Amei, lindo mesmo

Thereza Green disse...

Amei, superespecial, bjs

heretico disse...

que as pedras do cansaço se façam asas...

beijo